Desigualdade, Movimento Progressista Brasileiro, Política

Terceirização: oportunidade perdida para corrigir injustiças

A nova polêmica discutida pela população brasileira é a aprovação do PL 4302/98, que regulamenta a terceirização no Brasil. Seu ponto mais polêmico é a possibilidade de terceirização das atividades-fim, permitindo que uma empresa terceirize toda sua mão de obra. Gostaria de discutir alguns desses pontos neste texto, e pretendo demonstrar que este é mais um assunto que não recebeu a devida atenção e profundidade no debate. Texto de Tomás Pereira Machado com colaboração de Allan Santana, arte de Jota Aracê

Política

Previdência: reforma pra quem?

O carregador de caixas do mercado de 55 anos, que trabalha pesado há 30, não sabe como se deu a reforma na França. A agricultora que pegou na enxada pela primeira vez aos 7 anos não faz ideia do que seja déficit da previdência. Da forma atabalhoada que o governo tem tratado esse tema tão sensível, o que resta para pessoas comuns como as descritas é desconfiar que homens engravatados, bem alimentados e aposentados, decidirão em salas com ar-condicionado como será o futuro do povo trabalhador. Com esse debate pobre, feito às pressas pela equipe econômica do presidente Temer, dificilmente a população acreditará que esses homens estão cheios de boas intenções.

Política

Lula e o Complexo de Felipão

Felipão, já desgastado e sem a mesma qualidade técnica de jogadores, não repetiu o sucesso de 2002. Lula, também desgastado e sem as mesmas condições de seus dois primeiros governos, tem tudo para não ser bem-sucedido em um eventual retorno à Presidência. O resultado dessa volta pode ser um novo 7 x 1, dessa vez com consequências piores do que a simples perda de uma Copa do Mundo.

Movimento Progressista Brasileiro

A esquerda brasileira precisa de um discurso econômico convincente

Enquanto a esquerda preferir silenciar o debate e se fechar em bolhas de concordância, os liberais e conservadores irão continuar ganhando o debate público e trazendo os trabalhadores para o seu lado. Somente através de muito diálogo e proposição será possível conter esse avanço conservador em nosso país. Por isso, afirmo em alto e bom som que “A esquerda brasileira precisa de um discurso econômico convincente”, do contrário teremos que conviver longos anos sendo motivo de chacota e descrença.